Armazém Cheio de Assunto

Para quem gosta de pensar no sim e no não, no antes e no depois, o "Armazém" é o lugar certo. Pode entrar, beba da minha "cachaça" sem parcimônia... Este é um Blog com crônicas afetivas que tenho escrito ao longo de um tempo, ou talvez, um ópio que produzo e uso.

domingo, agosto 30, 2009

Apaixonado pelo amor


É muito triste quando os começos são apenas séries de únicas vezes, é como se a tarde nunca virasse noite, a maré fosse e nunca mais voltasse aos seus pés e os beijos nunca se transformassem em sexo. Quando há apenas a primeira vez, fica lamentavelmente triste saber que os abraços nunca vão se converter em cuidado e atenção, que a lua cheia nunca se aproximará dos namorados. É desconcertante a sensação de que o frio cortante na barriga nunca se engravidará de casamento de amor, de almas que se encaixam como Lego.
Começo de namoro é sempre mistura criativa, como crianças brincando de massa de modelar, é uma necessidade com pressa de acontecer, uma urgência de sentir um tipo de saudade que faz a alma ficar pequena, uma tradução de encantamento e desejo que respiram dentro da gente. Começar um namoro é uma delícia, é abrir mão da possibilidade de ser feliz sozinho, é confiar num desconhecido que pode ser um anjo, é um gostoso emaranhar de pele com mãos, de suor com pele, de saliva com dentes, de generosos fluídos que o corpo entrega. Começo de namoro é uma delicada composição de palavras e assuntos que se esvaziam ao passar das horas, assuntos que se enchem com o absorver de olhares misteriosos, reticentes e desprotegidos. Começo de namoro traz pra frente o brilho que vive no fundo dos olhos e ativa a assinatura em que um olhar se reconhece no outro.
Quando eu estava no começo do que hoje é um casamento feliz, nas primeiras vezes em que ela dividiu a cama dela comigo, de manhã quando eu ia embora, naturalmente deixava meu cheiro no travesseiro, meus fios de cabelo espalhados na cama e na pele dela, esquecia em seu sorriso aquela sensação boa de que mais tarde voltaria. Nessas horas o corpo da gente parece criança a quem você promete pirulito, lhe puxa pelo braço querendo atenção, contribui produzindo lembranças para que você não se esqueça da magia de se apaixonar. É gostoso saber que em meio a mil pensamentos que estão na sua cabeça, um seja tão poderoso a ponto de voltar toda hora numa deliciosa cadência, o pensamento naquela pessoa. Viver em branco e preto não faz bem para os olhos, eles foram feitos para perceberem todas as cores. Quando conhecemos alguém e gostamos, ganhamos duas caixinhas de lápis de cor, vamos nos colorindo, descobrindo tonalidades, texturas e fazendo combinações de novas cores. Milagrosamente dá-se início a um mise-en-scène, um imediato e violento vício na pessoa, uma certa dependência química, simplesmente queremos mais presença da pessoa ao nosso lado, nunca é o bastante.

Quando você está muito ansiosa, você sente um desejo doido por chocolate, doces, e isso acontece por causa de um neurotransmissor chamado de serotonina, presente no chocolate. Do mesmo modo, as pessoas ficam deprimidas pela ausência deste hormônio no organismo. Quando temos um orgasmo, uma chuva de endorfinas são liberadas pela hipófise, nos causando euforia, relaxamento e sensação de recompensa. Somos química cotidiana e a paixão é orquestrada por essa química, essa fábrica de substâncias caras. Alguns estudos dizem que a paixão dura semanas, meses ou até anos, e acaba da noite para o dia, como se o corpo resolvesse desapaixonar, parar de produzir paixão. E depois? E aí? E as experiências, as implicações emocionais, sentimentais? Gosto de pensar que paixão é um fogo que queima seu estômago e faz evaporar seu sangue, contrai seus músculos e torna você um viciado, e isso me leva ao pensamento seguinte: é do útero dessa paixão quente que nasce o amor, que é um organismo abstrato, impalpável, pouco compreendido, mas o único capaz de suportar a vida. Talvez paixão seja apenas coisa do corpo, mas nós, gentilmente, colocamos açúcar nas definições de paixão, as temperamos com poesia e a ornamentamos com palavras coloridas e bonitos significados. Somos românticos, somos a parte lúdica dos processos da vida.
Antes de tudo, somos responsáveis por todas nossas escolhas, nossa felicidade e sentimentos. Às vezes elegemos para compor nossa vida amores que são verdadeiros enganos, palavras de perfume volátil e ruim, mãos que te empurrarão ribanceira abaixo como um jipe desgovernado. Existem falsos amores nocivos à saúde, como o cigarro que incomoda amigos, lhe destrói lentamente, mas você não percebe. Falsos amores são vampiros que tiram a paz do seu sangue, mas, sobretudo, somos nós quem permitimos que estes amores impostores nos sigam, e numa rua escura sugerimos que eles mordam nossa carne mais mole e lhe damos nosso melhor.
Começo de namoro é bom, sobretudo se começarmos certo e com a pessoa certa. O que se chama amor pode ser bem mais do que você imagina e muito menos do que você pensa, e é assim mesmo, fragmento de paradoxo escapando das explicações. Nietzsche disse que amamos mais o desejo do que o ser desejado... Ou seja, não amo você, amo a sensação boa que você me causa, amo o que está em mim. Na primeira lida é difícil digerir essas palavras tão egoístas, mas entendo que Nietzsche não teve a mesma sorte que eu. O amor é difícil de entender e nem sequer tem manual de explicação, é bobo, mas também é um pequeno sol que controla a vida fora do corpo, fora dos processos químicos.
Na deliciosa arte de começar um namoro, a paixão tropeça em nosso corpo e dessa paixão displicente brota o amor. Esse amor precisa ser puro e fluido como um bom texto que vai se ramificando através de palavras bem colocadas, um texto que tem um começo, um meio, e achamos que tem fim, mas não existe fim, o final é um código aberto, é a mensagem que fica ecoando na vida como uma música endereçada. O amor é a experiência mais extraordinária da vida, é a entrega não só do corpo, mas também da alma.
Ainda produzimos paixão, eu me apaixono todos os dias pela mesma mulher, por todas as mulheres que vivem dentro dela. Cada vez que a protejo do frio, cada vez que minha pele sente suas mãos delicadas, em cada beijo que ainda não acabou, em cada vez que a vejo se arrumando pra sair, toda linda, feminina, mulher. Amor não é remédio e nem solução de problemas, amor é a recompensa por você ter se curado, ele remove cirurgicamente a solidão do peito...

Allê Barbosa

28 de Agosto de 2009

8 Comentários:

  • Às 11:33 PM , Blogger Andréa disse...

    Xande, eu amei seu texto: claro, objetivo, lindo como vc!!!! Sabe que sou sua amiga e sua fã!!! Meu amigo quase perfeito...rsrs Beijos

     
  • Às 9:06 PM , Blogger Malu disse...

    Maravilhoso texto Allê como todos... Parabéns!!! Beijos

     
  • Às 9:01 AM , Blogger willa Albuquerque disse...

    Que lindo texto!
    Tenho um selo para ti no meu blog.
    Beijos!

     
  • Às 9:52 PM , Blogger kellsanders disse...

    Allê, adorei o seu texto!!...como todos os outros, inclusive!
    vc tem o dom de transformar palavras em sensações...e esse seu jogo de plavras tem um toque todo especial por isso!!

    Parabéns!

     
  • Às 5:22 PM , Anonymous Mari disse...

    Oi Allê.

    Amei tudo que li,às vezes colocamos pra fora todas nossas angústias,nossos medos.Sabe pra muita gente eu escrevo besteiras,mas essas besteiras me fazem bem.Se temos esta capacidade de escrever ponto pra nós.
    Muito bom te encontrar meu amigo
    temos algo em comum rsssssssssss.
    As palavras.
    Sua amiga Mari

     
  • Às 9:11 PM , Blogger Joice Laís. disse...

    amei o texto allé ;), parabéns!

     
  • Às 9:11 PM , Blogger Joice Laís. disse...

    Adorei esse texto allê ;)

     
  • Às 11:46 PM , Blogger Ana Marcela disse...

    O que comentar diante de um texto desse?

    É de uma magnificência...Parabéns!rs

     

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial

 
Free Counter
Free Counter